terça-feira, 24 de novembro de 2009

VERÔNICA DE VATE - ALEILTON FONSECA



ALEILTON Santana da FONSECA nasceu em Itamirim, hoje Firmino Alves - Bahia, em 21/07/1959. É poeta, ficcionista, ensaísta e professor universitário. Em 1977, começa a publicar contos e poemas no Jornal da Bahia, de Salvador, tendo vencido 3 vezes o seu Concurso Permanente de Contos. Publica também no suplemento A Tarde/Novela, do jornal A Tarde. Em Ilhéus passa a assinar a coluna "Entre Aspas", no Jornal da Manhã. Em 1979, ingressa no curso de Letras da UFBA. Organiza seu primeiro livro de poemas, que recebe Menção Honrosa no concurso Prêmios Literários Universidade Federal da Bahia.Em 1984 ingressa, como professor, no curso de Letras da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, transferindo-se para a cidade de Vitória da Conquista. Publica o livro de poemas, O espelho da consciência. Em 1988, especializa-se em Literatura brasileira, ao ingressar no Mestrado em Letras, na Universidade Federal da Paraíba. Em 1992 defende tese de mestrado, sobre música e literatura romântica. Em 1997, defende a tese de doutorado intitulada: “A poesia da cidade: Imagens urbanas em Mário de Andrade”, que sairá em livro proximamente. Ainda em 1996 retorna a Salvador, onde fixa residência. Concorre ao "Prêmios Culturais de Literatura" da Fundação Cultural do Estado da Bahia, com o livro Jaú dos Bois, que fica entre os vencedores (3o Lugar) e é publicado pela Relume Dumará, em 1997. Em 1998, funda, em parceria com Carlos Ribeiro e outros escritores, Iararana – Revista de arte, crítica e literatura, periódico de divulgação da geração 80. Em 1999, transfere-se para a Universidade Estadual de Feira de Santana, integrando-se ao grupo fundador do curso de Pós-Graduação em Literatura e Diversidade Cultural (PPgLDC), tendo já orientado várias dissertações concluídas. Em 2003 leciona, como professor convidado, na Universidade de Artois (França). Neste ano e nos seguintes faz palestras nas Universidades: Sorbonne Nouvelle, Nanterre, Artois, Rennes, Toulouse Le Mirail (França) e ELTE (Budapeste). Tem participado de diversos eventos universitários e culturais em vários estados do país. Em 2001 publica o livro de contos O desterro dos mortos. Nesse ano recebeu o Prêmio Nacional Herberto Sales – Contos, da academia de Letras da Bahia, com o livro O canto de Alvorada, publicado em 2003,com 2ª edição em 2004, pela Editora José Olympio. Em 2005 co-organiza (com o escritor Cyro de Mattos), o livro O triunfo de Sosígenes Costa: estudos, depoimentos, antologia (Ilhéus: Editus; Feira de Santana, UEFS Editora, 2005.), que recebeu o Prêmio Marcos Almir Madeira 2005, da União Brasileira de Escritores-RJ.Em 2009 completou 50 anos e foi homenageado pelo Lycée des Arènes, em Toulouse-França, com uma exposição de trabalhos de alunos sobre seu livro Les marques du feu. Na Bahia foi homenageado pelo IL-UFBA. Neste mesmo ano, seu romance Nhô Guimarães foi adaptado para o teatro e encenado em Salvador e outras cidades. É correspondente da revista francesa Latitudes: cahiers lusophones. Desde 2005, pertence à Academia de Letras da Bahia, ocupando a cadeira nº 20. É membro da UBE-São Paulo e do PEN Clube do Brasil.

LIVROS DE POESIA, ENSAIO, CONTOS E ROMANCE:
1.Movimento de Sondagem. Salvador; Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1981. “Coleção dos Novos, vol. 2 – série Poesia”.
2. O espelho da consciência. Salvador: Gráfica da UFBA, 1984.
3. Teoria particular (mas nem tanto) do poema — ou poética feita em casa. São Paulo: Edições D’Kaza, 1994.
4. Enredo romântico, música ao fundo. (ensaio) Rio de Janeiro: 7 Letras, 1996.
5. Oitenta: poesia e prosa. Coletânea comemorativa dos 15 anos da “Coleção dos Novos”. Salvador: BDA-Bahia, 1996. (org. Aleilton Fonseca e Carlos Ribeiro)
6. Jaú dos bois e outros contos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.
7. Rotas e imagens: literatura e outras viagens. Feira de Santana: UEFS/PPGLDC, 2000. (Org. Aleilton Fonseca e Rubens Alves Pereira)
8. O desterro dos mortos (contos) Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001
9. O canto de Alvorada (contos). Rio de Janeiro: José Olympio, 2003.
10. O triunfo de Sosígenes Costa. Ilhéus: Editus, 2004. (Org. Cyro de Mattos e Aleilton Fonseca).
11. As formas do barro & outros poemas. Salvador: EPP. 2006.
12. Nhô Guimarães (romance). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.
13. Todas as casas (contos, livro coletivo). Salvador: EPP, 2007.
14. Les marques du feu et autres nouvelles de Bahia. Paris: Lanore, 2008. (Tradução de Dominique Stoenesco).
15. Guimarães Rosa, écrivain brésilien centenaire. Bruxelas, Librairie Orfeu, 2008.
16. O olhar de Castro Alves. (org.). Salvador: ALB/ALBA, 2008.
17. O pêndulo de Euclides (romance). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.
*
Aleilton Fonseca vai participar, no próximo sábado, dia 28 de novembro, do projeto Travessia das Palavras, na cidade de Jequié, Bahia, que conta com a coordenação de Leonam Oliveira e de José Inácio Vieira de Melo. O Projeto vai contar também com a participação especial do Grupo Concriz - uma turma da boa da cidade de Maracás, composta por 25 jovens recitadores, dirigida pelo trio de poetas Edmar Vieira, Marcelo Nascimento e Vitor Nascimento Sá. Com esse evento, o projeto Travessia das Palavras chega ao final da sua programação para 2009.


ANTI(TESTAMENTO)


Os pais, os avós
cumpriram os caminhos;
já não têm a bênção do futuro:
caminhemos sozinhos.

Os pais, os avós
inventaram ofícios;
mas agora é difícil:
aprendamos sozinhos.

Os pais, os avós,
remoemos seus versos;
os nossos poemas
são pós diversos.

Os pais, os avós,
os sinais da estrada,
seus contras, seus prós,
somos nós,
entre o Sol
e o nada.


ALEILTON FONSECA

2 comentários:

Paula Laranjeira disse...

Ele, além de grande romacista é ótimo poeta...bjs

www.aleilton.blogspot.com

visite!

Paula Laranjeira disse...

Gostaria de saber como se adquire a revista Iararana. pois sei q a tiragem é limitada...abraços