sábado, 2 de agosto de 2008

OS VEIOS POÉTICOS DA MULHER DE HOJE

José Inácio Vieira de Melo

Dois anos depois da publicação de seu primeiro livro de contos, Tramela, um dos vencedores do Prêmio Braskem de Cultura e Arte – Literatura – 2004, para autores inéditos, da Fundação Casa de Jorge Amado, chegou o momento de Rita Santana estrear na poesia com Tratado das Veias, uma publicação do Selo Editorial Letras da Bahia.
O livro, que vem referendado por Hélio Pólvora e por Aninha Franco, é composto de setenta poemas, nos quais Rita exterioriza o seu potencial lírico. Mas o lirismo de Rita Santana nada tem de doce, ameno, nada tem de contenção. A poeta imprime em seus versos uma força transbordante, um intenso jorrar de sensações, e é erótica e é política e é debochada.
Em um dos poemas iniciais, “Abandono”, Rita dá o tom que perpassa todo o livro. Faz um inventário dos cacarecos de sua caminhada, como quem faz uma revisão da vida, uma limpeza. Essa atitude de desprendimento, esse ajuste de contas, proporciona uma catarse, uma abertura para o novo, para o que vier: “Deixo aqui minhas vontades. (...)/ Precipito-me em deixar-me aqui também,/ e seguir sem mim, pois que fico. (...)/ Deixo-me vestida de ausência.”
Mais adiante, no poema “Azul”, Rita começa tratando peixes, à maneira de Adélia Prado, e termina fazendo uma embolada com Ferreira Gullar. E em tom de sarcasmo, o céu azul maranhense da infância do poeta vai emprestar sua cor para a “boceta cor-de-rosa” do eu-lírico da musa grapiúna. E a poeta abre o baú, e mais uma vez se expõe, ao enfileirar seus encontros e desencontros: “Perdi e encontrei terezas, jorges, tonhos, miguéis, primos,/ Aluguéis, janelas, gudes, bordados, assovios, cartas de amor,/ Fraudes descartáveis, autorias duvidosas, alarmes, amores...”
O veio erótico de Rita predomina no seu tratado, mas no bojo do erotismo ressoa um desejo de reconhecimento de seus prazeres. Uma poesia que grita – berra mesmo – a emancipação dos pudores, seja na ladainha “Ai de mim!” (“Abri a porta e gritei:/ Ai de nós, mulheres feias!/ Ai de nós, mulheres tortas!”) ou mesmo em “Bênção” (“Sou mulher de agora, de hoje,/ Tenho hábito de galo e caprichos de galinha.”).
Em Tratado das Veias encontramos uma jovem poeta delirante, que homenageia, ao decorrer dos poemas, as influências que lhe são caras. Então, Hilda Hilst, Orides Fontela, Cora Coralina e Adélia Prado pairam nos ares poéticos de Rita Santana. Outra voz que se assemelha à de Rita é a de Elisa Lucinda. Nas duas poetas, é perceptível a entonação teatral, a disposição para a oralidade de seus versos. Essa característica, muito provavelmente, se dá pelo fato de ambas serem atrizes.
Quanto ao aspecto formal, a própria autora é quem esclarece o seu “Mosaico” poético: “Sou uma fulana doida,/ de palavras grossas e versos malacabados.” E mais, em “Brechó”: “Rasgo-me em palavras, xingamentos, palavrórios, orações,/ Abuso do vocabulário:”. Ou, ainda, em “Violino”: “Sou dos excessos!”. Essa estranha poética confere a Rita Santana um largo espaço para a criação – palco de muitas possibilidades e de muitos riscos, que podem trazer algo de novo. E o novo é quase sempre estranho.
Com Tratado das Veias, Rita Santana passa a fazer parte do mais novo time de poetas baianas, poetas que publicaram seus livros de estréia, tiveram boa acolhida entre seus pares e deixaram uma grande expectativa em relação às suas obras vindouras. Dentre elas, estão Kátia Borges, com De volta à caixa de abelhas (2002), e Fabrícia Miranda, com Ritos de espelho (2002).
Em Reflexões sobre poesia e ética, o poeta grego Konstantinos Kaváfis, fala sobre o receio que alguns escritores têm em abordar determinados assuntos “porque temem ofender os preconceitos”. Rita Santana não tem medo dos preconceitos, é uma poeta de voz firme e traço pungente, está armada de verbos que rondam seu chão como estrelas. Seu compromisso é consigo, com as coisas em que acredita e com a arte. Rita Santana é constante em sua busca, por isso cativa a todos aqueles que insistem em perseguir acreditando em um sonho: “Quando chega a primavera, eu viro chuva/ e saio a te buscar por toda a terra”.


Resenha publicada no jornal A Tarde Cultural, em Salvador-BA, em 11 de novembro de 2006

Um comentário:

Vitor Nascimento Sá disse...

De fato, Inácio, uma das coisas que mais encantam na poesia de Rita Santana é essa coragem do desafio aos modelos de comportamento. Sobretudo em se tratando de uma mulher, é bastante louvável a forma como ela passeia pelo erótico e, para alguns, até desbocado.
Mas o poeta precisa ser desbocado.