sexta-feira, 30 de julho de 2010

JIVM - VINGANÇA


Ilustração: Daniel Biléu

V I N G A N Ç A


Eu vou pegar o machado de meu avô para te partir ao meio.
Tu me abandonaste no meio do tempo
e eu ainda estou perdido no meio da mata da tua ignorância.
Eu sou fraco, muito fraco. Eu corri para todos os lados
com os olhos esbugalhados sem saber para onde ir,
porque eu tinha medo, eu tinha muito medo, eu morria de medo.

Aí eu olhei pros quatro cantos e não enxerguei nada.
Eu não conseguia ver a imensidão,
apenas sentia um imenso abandono.

Eu vou me vestir de índio para tirar teu escalpo,
e vou dançar ao redor da fogueira dos tempos,
e no caldeirão dos meus prazeres cozinharei tua carne morena,
e, na brasa das tempestades que gritam o meu desespero,
assarei tuas carnes e banquetearei os que alimentaram tua ambição.

Já podes sentir a justiça do machado do meu avô:
o teu sangue lava os focinhos dos porcos.


JOSÉ INÁCIO VIEIRA DE MELO

18 comentários:

Gláucia Lemos disse...

Meu Deus, Inácio, que raiva!!! À parte o sentimento, o poema é muito bom, muito forte e muito bem urdido. Sabe que fui eleita ontem para a Academia? Quero você na festa da Posse marcada para outubro sem data ainda. Bj Gláucia.

Ana Luisa Kaminski disse...

Um tanto chocante e violento, para meu gosto, ui! Abraços alados.

Ana Cecília disse...

Nossa! onírico, escatológico. Gostei.
veja você aqui:
http://casulotemporario.blogspot.com/2010/07/conversa-no-facebook.html

Pablo Sá disse...

Quando eu recito esse poema no Grupo Concriz junto com Marcelo Nascimento,
é incrivelmente maravilhoso.Gosto muito da força, da raiva desse poema.
Abraços JIVM.

Carlos Vilarinho disse...

Legal, gostei muito.

Posso colocá-lo no jornal com seus créditos, lógico?

Antonio Nahud Júnior disse...

Êta, hombre, que coração ferido!

Cristiane Grando disse...

Que belo poema, José Inácio querido.

romério rômulo disse...

o machado do avô tem muitas utilidades. gostei, zé inácio.
um abraço.
romério
ps. já estou de posse do "roseiral".

Georgio Rios disse...

Um poema sangrado na raia dos tempos.
Poeta, avante!

Salgado Maranhão disse...

Belo poema, meu poeta, bela sintaxe. Ainda não lhe enviei o livro mas não me esqueci,não, é que eu sou o bloco do eu sozinho(e Deus, naturalmente). Abração, Sal.

Astrid Cabral disse...

Zé Inácio: é uma poema forte, cheio de força primária. A ilustração está muito adequada pelo que alude ao mundo selvagem.
Abraço carinhoso da Astrid

Sérgio Cerviño Rivero disse...

FORTE!!!

Abraço

Sérgio

Isvânia Marques disse...

Puxa, adorei sua "vingança"!... Certamente, estava mais uma vez movido pela inspiração que faz de você um poeta muito (mas muito mesmo) original.

Parabéns!!! Isvânia Marques.

Stella de Sanctis - The Red Rose disse...

""e vou dançar ao redor da fogueira dos tempos,
e no caldeirão dos meus prazeres cozinharei tua carne morena,
e, na brasa das tempestadas que gritam o meu desespero,
assarei tuas carnes e banquetearei os que alimentaram tua ambição"
José Inácio Vieira de Melo

Magnífica fúria de poeta!...Lindo poema!Bravo!!!

Boa semana

Beijos carinhosos

Stella de Sanctis

Mercinha disse...

Gosto muito da sua poesia.Ela me emociona. Mundos tão diferentes, mas eu me identifico com sua poesia cheia de vitalidade e delicadeza, com seu vigor e beleza.Mistério e solidão mas tudo com muito sol, quentes, vermelhas como seu roseiral.Sou centauro no signo. Você, cavaleiro, vaqueiro, poeta-centauro do sertão.É sempre um grande prazer ler, ver você e o seu mundo.Um grande prazer conhecer sua poesia e você.

Lílian Maial disse...

Excepcional teu poema, meu rico!
O machado e o escalpo deram o toque inusitado.
Beijo,
Lílian Maial

Raiça Bomfim disse...

Eu gostei tanto desse, Zé!
Tem um eco ancestral, mitológico que eu aprecio tanto.
O machado de seu avô tb soa em mim, retumba nesses céus daqui, põe fogo na existência: faz sangrar a terra e faz ver que, na verdade, o sangue é apenas a fervura da festa!

Abraço forte,
Raiça.

Ana Cristina Souto disse...

Nossa Zé, que coisa linda seu poema Vingança. Manda pra mim de novo. Aliás, manda seu livro roseiral. Quero lê-lo urgentemente.
Um beijo anjo querido