segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

JIVM - ÍNDIA

Foto: Ricardo Prado


ÍNDIA
Para Linda Soglia


Rapunzel mestiça de contornos míticos,
teus cabelos, nos ombros, caídos,
são trepadeiras para alcançar o luar.

Para a tua imagem de santa brasileira,
de deusa americana, acendo minha vela
em teu altar e em minha cama.

Seiva europeia, sangue tupi,
da maciez de teu ventre
brotaram dois curumins.

Linda, meu grande amor,
lenda silenciosa do Jiquiriçá,
tu és a flor do meu Maracás.


JOSÉ INÁCIO VIEIRA DE MELO

5 comentários:

Sandra Santos disse...

muito bela sua musa, esse ar indígena é fatal! dê meus parabéns a ela, José Inácio, quem sabe um dia reunimos as famílias à beira de uma fogueira...

Salgado Maranhão disse...

Bonito!, poeta, é assim que se faz. AbraSAL

Gláucia Lemos disse...

O nome de Linda Soglia, Linda, é o de poucas pessoas que foram batizadas com a definição de si mesmas. Conheço-a pessoalmente, e ela é realmente Linda.

José Carlos disse...

Muito bom! É Linda de verdade.

Sandra Rosa Moreira disse...

Lindo Poema! Linda Esposa! Lindo Amor!