quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

TRÊS POEMAS DE CAIO RUDÁ


Fotos: Ricardo Prado














O POETA NA AREIA



Há vários caminhos para a boa ventura.
Um deles é certo, porém;
permiti-me apresentá-lo.
Repousa no refletir do sol na água
às cinco e quarenta e cinco da tarde
no porto da Barra.

Caminhai, baianos,
segui por ele, turistas.
Fixai o olhar no círculo,
lá ao fundo, luminoso.
Ide a ele que vem a vós, pais e irmãos,
todo santo dia, cá na baía de todos os santos,
estes que vos abençoam
a caminhada por sobre as águas.
Não é preciso milagre,
somente que observeis o tapete alaranjado
duelando com o azul costumeiro
(aliás, cores não brigam,
apenas entram em contraste)
e andeis pelo brilho.

As seis horas são esperadas.
Movei-vos pela estrada, portanto,
que os cavalos-marinhos já vêm
enrolar o tapete, ao que se põe
o sol, não no horizonte,
mas atrás da ilha de Itaparica,
ao som das palmas que batem
os bons viajantes na areia
cada vez mais fina, desgastada
de emoção por tantos crepúsculos.



GOTAS


feito nuvens de verão
estendidas no varal
descansam roupas brancas
donde pingam
lentamente
a denúncia do árduo labor
de lavar a sujeira, o suor
e a dor.



TESTAMENTO


Eu quero morrer louco
são nem um pouco
doido de pedra
demente, decadente
sem mente, sim
completamente doente.

Eu quero morrer assim
para não fechar meus olhos
ciente de que é o fim.

5 comentários:

Ricardo Thadeu disse...

Muito massa. Rudá escreve muito bem mesmo. Parabéns, man.

Marcelo disse...

O poema Testamento é muito bom realmente percebe-se muito claro a presença de Leminski na escrit de Rudá, Parabéns Rudá exelente entrevista e poemas.

Vitor Nascimento Sá disse...

Moço, esse poema "Testamento" era o que eu queria ter escrito. Parabéns, Rudá.

Caio Rudá disse...

Obrigado, pessoal. A leitura de vocês é fundamental. E ando sentindo uma predileção por Testamento.

Priscila de Freitas disse...

Caio, mais do que Testamento Gotas me tocou por uma imagem, a de nuvens estendidas. Um abraço