sexta-feira, 3 de abril de 2009

PRAÇA DE CORDEL E POESIA – O GRANDE ENCONTRO DOS POETAS BAIANOS

Por José Inácio Vieira de Melo


Para a Praça de Cordel e Poesia, na 9ª Bienal do Livro da Bahia, foram convidados 101 poetas, um número bastante animador. Artistas da palavra, de vários territórios do estado, desfilarão seus versos durante os 10 dez dias de celebração do livro.
São poetas das mais diversas vertentes. Alguns, célebres, como Maria da Conceição Paranhos, Antonio Brasileiro e Ruy Espinheira Filho. Outros, estreantes, dando seus primeiros passos, como os editores da revista Entre Aspas: Georgio Rios, Paulo André e Thiago Lins ou os editores da revista Na borda da xícara: Fabrício de Queiroz e Max da Fonseca. Vários deles, ainda inéditos, postando seus poemas em blogs criativos e sonhando com a publicação do primeiro livro, como é o caso de Martha Galrão, Raiça Bonfim, Emanuel Mirdad e Priscila Fernandes.
Os cordelistas vão dar um colorido especial para a Praça, apresentando seus tipos extraordinários, ou ainda, descrevendo as personagens de destaque de sua comunidade com traços bem engraçados. Antonio Barreto, Franklin Maxado e Jotacê Freitas são alguns dos nomes representativos da literatura de cordel que estarão presentes, assim como um expressivo grupo de novos cordelistas da Bahia, sendo Tarcísio Mota um dos mais jovens, com 18 anos. As mulheres também marcarão presença. Maysa Miranda, Creusa Meira e Gilmara Cláudia mostrarão que a força feminina também vigora no cordel.
Além dos cordelistas, a Praça de Cordel e Poesia vai contar com a participação das duplas de repentistas: Paraíba da Viola & Tranquilino e Caboquinho & João Ramos, e da dupla de emboladores Palito & Braz.
Como já foi dito, poetas de vários territórios da Bahia participarão do evento, o que reflete uma das prioridades da Secretaria de Cultura do Estado, que é descentralizar a cultura, ou seja, desconcentrar a atenção dos territórios do Recôncavo e da Região Metropolitana de Salvador, e valorizar também os outros 24 territórios de identidade da Bahia. Desta maneira, desde poetas dos territórios do Baixo Sul e do Litoral Sul até poetas dos territórios do Portal do Sertão e do Piemonte Norte do Itapicuru estarão presentes mostrando para o público a força artística proveniente do seu lugar de origem.
E de todos os rincões da Bahia afloraram poetas para participar da Praça: o cordelista José Olívio, do Agreste de Alagoinhas; os poetas Georgio Rios e Inaê Sodré, da Bacia do Jacuípe; Leonam Oliveira e Jussara Midlej, do Médio Rio de Contas; Júlio Lucas, cosmopolita do território de Itaparica; e Edmar Vieira, Vitor Nascimento Sá e Marcelo Nascimento, integrantes do Grupo Concriz, do Vale do Jiquiriçá. O grupo Concriz, proveniente da cidade de Maracás, é um dos destaques da Praça de Cordel e Poesia. Sua força jogralesca e o aprimoramento técnico de seus recitais têm rendido elogios de grandes nomes da literatura baiana, como Florisvaldo Mattos, Roberval Pereyr e Ruy Espinheira Filho.
E mais: Moacir Eduão, do território de Irecê; José Walter Pires, do Sertão Produtivo; Herculano Neto, do Recôncavo; Nívia Maria Vasconcellos, do Portal do Sertão; Antonio Naud Junior, do Litoral Sul; Vânia Melo e vários outros da Região Metropolitana de Salvador. Para completar o time, Walter César, poeta beat da Aldeia de Arembepe. E muitos, muitos outros grandes talentos.
A Bahia, berço da poesia brasileira, é acolhedora por natureza. Poetas nascidos em outros Estados e em outras Regiões encontraram alento no seio da terra de Gregório de Mattos. E aqui aportaram Ivan Maia e Héber Sales, oriundos do estado de Pernambuco; Mônica Menezes, de Sergipe; Eliana Mara Chiossi, de São Paulo; Fabrícia Miranda, do Rio de Janeiro; Thiago Lins e Nuno Gonçalves, do Ceará. Nomes certos na Praça.
Outro grupo representativo que vai marcar presença no evento é o Poetrix. Criado pelo poeta Goulart Gomes, o movimento espalhou-se pelo mundo afora, tendo hoje mais de 200 mil adeptos. A Praça vai ter onze integrantes do Poetrix, uma verdadeira seleção. Seis dos poetrixtas são de outros Estados: Regina Lyra (PB), Lílian Maial (RJ), Marilda Confortin (PR), Hércio Afonso, Pedro Cardoso e Reneu Berni (DF).
Além desta pluralidade de poetas, representantes de praticamente todos os territórios de identidade do Estado, o projeto vai contar com a força cênica do ator Jackson Costa, com a interpretação suave e sensível da bela cantora Carla Visi e com a presença marcante do cantador Sapiranga. Jackson vai recitar poemas de Castro Alves e de Patativa do Assaré. Carla vai interpretar poemas de Cecília Meireles que foram musicados por Raimundo Fagner. Sapiranga vai mostrar o telurismo de suas composições.
A Praça prestará homenagem aos poetas Patativa do Assaré e Antônio Vieira. Patativa, pelo seu centenário de nascimento, e Antônio, artista singular da Bahia, pelo seu falecimento em 10 de junho de 2007. Os dois poetas terão seus poemas recitados ao longo da Bienal. Albert e Alexandre Vieira, filhos do poeta baiano, declamarão cordéis de seu pai.
Antônio Vieira apregoava que “os nomes dos poetas populares/ deveriam estar na boca do povo”. No grande encontro dos poetas da Bahia, na Praça de Cordel e Poesia, eles serão proferidos em alto e bom som, ecoando por dez dias para mais de 250 mil pessoas ouvirem.

José Inácio Vieira de Melo é poeta, jornalista e produtor cultural. Curador e coordenador da Praça de Cordel e Poesia.

7 comentários:

Mirse disse...

É sempre bom saber desses grandes encontros. Mesmo à distância, torcemos para que o evento seja um ápice a mais na já tão querida literatura de cordel e só enobrece a Bahia.
Pena que não estou aí.

Grande abraço

Mirze

Pablo Soares Costa disse...

Parabéns, José Inácio. Você presta um grande serviço para a literatura brasileira. Um bom final de semana, Cavaleiro de Fogo!

Anônimo disse...

Certa vez, adentrei o blog do Cavaleiro de Fogo e me deparei com a imagem sísifica de um homem a cumprir a penitência de empurrar uma pedra ladeira a cima. Emblemática. A mesma imagem tocara o sentimento de Carlos Moisés, filho de Inácio - 9 anos, também cavaleiro e poeta. Desse toque nasceu o poema:

"
MITO DE SÍSIFO

O homem pelado segurando a pedra
com sua incrível força de pedra.

A sua força é tão inútil
como a pedra que segura.

CARLOS MOISÉS SOGLIA DE MELO

"
Fiquei pensando na inutilidade do trabalho de José Inácio, na inutilidade de sua poesia, tão rica, tão bela. Quantas vezes não fora ele mesmo o Sísifo? Promovendo recitais, saraus, publicando livros, recitando poesia nas areias do Morro de São Paulo.

Inácio é poeta, promotor de sua própria poesia e de seus contemporâneos. Quem conhece Inácio sabe da sua dedicação, sabe da sua penitência e sabe também da qualidade e do valor de seu trabalho. Como ele costumava dizer: “Não sou um poeta completo, mas sou completamente poeta”.

Eu desejo, a Inácio, força e coragem para levar essa pedra ainda mais alto.


Parabéns, Inácio
Gabriel Guedes Franco Lima Gomes

Marcelo Nascimento disse...

Parabés com certeza esse é mais um evento que conta com uma divulgação muito boa, coisa que você, Inácio, sabe fazer como poucos.

Vitor Nascimento Sá disse...

É um orgulho participar de um projeto como esse. JIVM é o grande articulador da literatura baiana na atualidade. Ao esforço dele devemos grandes momentos, como Uma Prosa Sobre Versos (Maracás), Travessia das Palavras (Jequié), Poesia na Boca da Noite (Salvador) e, agora, um grande espaço para a poesia e o cordel na Bienal do livro. Parabéns, poeta!

Ana Caroline disse...

Com toda certeza a Bienal do Livro de 2009, vai ser um sucesso. Com toda essa divulgação que está tendo tanto pelo Poeta José Inácio, quanto pela cidade de Salvador dará muito resultado. O público está muito animado, e certamente milhares de pessoas sairão de lá com um conceito melhor sobre leitura. Parabéns Inácio!

Carlos Barbosa disse...

Grande Zé Inácio: passarei pela Praça da Poesia e do Cordel para prestigiar a força da poesia e do seu trabalho. Grande elenco, maior festa ainda para a literatura. Parabéns, (Carlos Barbosa)