domingo, 1 de setembro de 2013

JIVM - TIA AURORA

15 comentários:

Pedra do Sertão disse...

Tão bonito! Também achei super legal a proposta de leitura pública, feita sob mediação. Aqui em Natal trabalho em um projeto de leitura bem interessante, nessa linha linha também...está aqui.

www.projetovirandoapaginauern.blogpot.com.br

Abraço do Pedra

Dílson Lages Monteiro disse...

Lugar dentro de meu sentimento, com vento cheio de azuis - o jeito de começar que só a poesia é capaz de gerar. Belíssimo poema!

Mira Miriam Rodrigues disse...

Lindo!!! "E era só ela abrir a porta..." bateu saudade das minhas tias que já se foram.

Wilson Figueiredo disse...

Como é bom ter amigo com tanta sensibilidade intelectual. Grande poeta, reverencio aqui a sua genialidade. Um forte abraço.

Cris Campos disse...

Penso que quase todos os que vivem ou já viveram no interior, ao ouvir/ler este poema, sentem-se um pouco sobrinho da "Tia Aurora"...

Lia Sena disse...

Lindo poema! Obrigada por compartilhar! Me trouxe lembranças da casa da minha tia que abrigava um pomar e tinha sempre sobre o móvel da sala impecavelmente limpa, como o resto da casa, os mais variados doces: Compotas de frutas, doce de leite... Todos preparados por ela e guardados em belas doceiras de vidro! Reminiscências da minha infância que o seu belo poema conseguiu evocar...

Vernaide Wanderley disse...

Muito bom, querido Zé. Veio com uma saudade e um sentimento tão parecido com o seu. Também tive uma Tia Aurora (Adjalma). Era tão forte sua presença, que não precisávamos dizer seu nome, apenas "Titia". Grata, pela força de seu versos - que entrou e remexeu no meu baú de lembranças, sem pedir licença!! Beijos e uma abraço bem apertado, querido amigo!

Tereza Prazeres disse...

Inácio esse poema me fez voltar a minha infância, na fazenda de tia mariquinha, a madrugada chegando junto com a tia aurora, indo ao curral com um copo pra tomar leite tirado na hora... Um abraço meu amigo!!!!

Denise Di Mirah disse...

O Umbuzeiro faz parte da minha infância... como os bois vermelhos... e o chiado do carro... na sua cantiga de trabalho... e no meu âmago...tenho uma Tia Aurora que vive em mim... no meu mantra diário da felicidade...

Nala Marques disse...

Muito lindo, muitissimo bem recitado este encantador poema de Jose José Inácio Vieira de Melo!! quanta ternura faz sentir em nossos corações, pela gentil TIA AURORA!! Adorei, o que não é de admirar, pois sendo poesia de JIVM, traz selo de garantia. Um Beijo da Nala Marques

Sérgio Lamenha Campos disse...

Tenho muito orgulho do Poeta Talentoso que vc se transformou!E pensar que tive o privilégio de usufruir da grande amizade que construimos ao longo de nossa adolescência e se perpetua por toda a eternidade.

Iray Galrão disse...

Inácio tem o dom divino de transformar tudo em poesia

Ana Cristina Souto disse...

Os dois bois vermelhos, os ventos azuis, o Sol se espreguiçando e a Tia Aurora dando luz ao mundo. Linda poesia, que só tu sabes fazer e mais ninguém. O vídeo ficou belíssimo e a tua voz permanece quando termina o poema.

Carlos Vazconcelos disse...

Caro José Inácio Vieira de Melo, ontem à noite dei aquela arrumada nos meus livros. Enquanto isso escutava seus poemas, do Pedra Só. Parabéns. Cheiro da terra com sabor de mundo inteiro. Abraço, grande camarada.

Myriam Fraga disse...

Inácio,

Adorei o poema de tia Aurora. Dez para a edição. BJS


Myriam