segunda-feira, 21 de março de 2011

JIVM - INVENÇÃO DA POESIA

6 comentários:

Maria Muadiê disse...

muito bonito

Vânia Melo disse...

Inácio! Este poema nos remete às mais lindas imagens! Você foi muito feliz nas aproximações semânticas e nos dizeres poéticos! Penso que é mesmo assim que surge o que nós não daremos conta jamais, pois estamos sempre chegando perto

Wender Montenegro disse...

‎"que o coração só tem um fim: / ao som do coro das sereias / cantar o ciclo da origem." Parabéns, José Inácio! Belo fecho, belo poema!

Wender Montenegro disse...

JIVM, a sua declamação e a força das imagens do vídeo, engrandecem ainda mais a beleza do poema! Parabéns!

lita Passos disse...

Oi, poeta! Belo poema, fiquei encantada. Eu venho aprendendo
a buscar meu canto de origem.
Bjs, Lita

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

pena que vivo no exílio aqui da Bahia